Sublimação e Transfer são a mesma coisa? Mistério Resolvido!

Marcos Gervazoni

Marcos Gervazoni

Comecei com Sublimação em 2010, numa época onde as informações eram muito difíceis de ser encontradas. Desde 2017 à frente da Central da Sublimação para facilitar a vida de quem quer começar.

FAÇA COMO mais de três mil pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos todas as sextas-feiras

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp

 

A popularização da sublimação e o avanço tecnológico permitiram que as pessoas tenham equipamentos em suas próprias casas. Mas a falta de um mercado fornecedor responsável e que trabalhe exclusivamente com isso, ainda gera uma grande confusão em pequenos produtores. E uma das mais comuns é a questão entre o que é Transfer e Sublimação.

Muito dessa confusão de termos é propagada pela falta de especialização do próprio mercado de personalização. Sem o conhecimento adequado é difícil de compreender as diferenças entre um processo e outro. As semelhanças entre eles são nítidas, uma vez que a sublimação e o transfer são o resultado da transferência de uma impressão através do calor para um substrato.

No intuito de vender sem se preocupar com a qualificação do cliente, algumas empresas varejistas de substratos ou revendedores de equipamentos não explicam sobre a correta utilização de suas máquinas. Também não explicam sobre as características individuais de cada produto personalizável. Isso dificulta, por parte do produtor, a compreensão de todas as variáveis envolvidas no processo de personalização, gerando uma enorme confusão e muitas dúvidas no momento da compra do material a ser personalizado. Também é preciso tomar cuidado com alguns materiais disponíveis na internet, pois não é raro observarmos canais no Youtube e blog compartilhando informações de maneira equivocada, buscando apenas cliques e visibilidade.

 

Nós aqui da Central da Sublimação elaboramos um Guia Definitivo para explicar as diferenças entre cada um dos processos e matar de vez essa questão!

 

Transfer

O Transfer, como é popularmente chamado, é segmentado em dois tipo: Transfer e Transfer Laser. Ambos serão explorados ao longo deste artigo.

Tanto o Transfer quanto o Transfer Laser são processos de termotransferência. Processos que acontecem a partir da variável temperatura.

O Transfer é impresso com uma impressora jato de tinta abastecida de Tinta Pigmentada em uma base especial para o processo (Papel Transfer). O Transfer Laser é impresso em uma impressora laser abastecida com tonner em um papel comum (sem tratamento)

Para ambos os casos não é necessário que o substrato tenha algum tipo de tratamento. No caso do Transfer o papel (especial para o processo) é quem, com a aplicação do tempo x temperatura x pressão, irá aderir ao substrato. Por sua vez, o Transfer Laser, com a aplicação de tempo x temperatura x pressão, fará a transferência do tonner  (um tipo de resina plástica) para o substrato.

Apesar de muito populares, estes processos tem uma relativa fragilidade: a durabilidade da transferência. É comum que após 10 ou 12 lavagens o Transfer dê sinais de desbotamento. O Transfer Laser, se não for respeitado as suas limitações, pode acabar “desgrudando” do substrato.


Sublimação

Sublimação é um processo de termotransferência. Neste processo há a transferência do corante sublimático impresso no papel para uma base de poliéster.

As fibras do material, ao ser aquecidas se expandem, deixando espaços intermoleculares. Estes espaços permitem que o corante sublimático seja transferido para o substrato. Ao voltar a temperatura ambiente, as fibras voltam ao seu tamanho original, fechando os espaços e encapsulando o corante sublimático. Dessa forma a impressão é fixada no fotoproduto.

Os corantes sublimáticos assumem a condição de transferência a partir de uma temperatura mínima de 160ºC.

É preciso estar atento ao fato da sublimação não ocorrer em fibras naturais (algodão, por exemplo). Por isso um tecido precisa ter uma composição sintética, como o poliéster. Demais materiais como alumínio, madeira e porcelana e até mesmo o acrílico também precisam deste revestimento.

Para que o processo ocorra da maneira adequada, alguns materiais são indispensáveis e específicos. (não devem ser substituídos por alternativas genéricas):


Transfer ou Sublimação, qual o melhor?

Não há uma resposta definitiva para isto. É necessário que, compreendendo as diferenças de cada um, o produtor possa adequar o melhor a sua necessidade. Como foi visto, cada um dos processos tem uma especialidade, foque nisso para investir de maneira correta.

grupo facebook

O transfer é  recomendado para uma linha mais barata como brindes corporativos e lembranças de eventos. Neste caso o foco é o preço do produto final. Isso é possível por, como explicado, não necessitar de papeis, tintas e produtos específicos para tal.

A Sublimação pode ser usada para quantidades, porém é mais indicada para presentes. É importante vender o sentimento, a qualidade, a durabilidade, resultado final e a maior qualidade de acabamento. Por necessitar de produtos específicos acaba tendo um custo de produção mais alto, porém possui maior valor agregado.

Gostou? Envie a um amigo!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Gostou? Compartilhe com seus amigos:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
E-mail

Artigos Relacionados