Quem é você na sublimação?

Marcos Gervazoni

Marcos Gervazoni

Comecei com Sublimação em 2010, numa época onde as informações eram muito difíceis de ser encontradas. Desde 2017 à frente da Central da Sublimação para facilitar a vida de quem quer começar.

FAÇA COMO mais de três mil pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos todas as sextas-feiras

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp

Quem está na sublimação a mais tempo já está acostumado aos termos PRENSADOR e SUBLIMADOR pois eles são usados para profissionais diferentes.

Um fato com relação a isso é que todo o SUBLIMADOR já foi um PRENSADOR, mas nem todo PRENSADOR será um SUBLIMADOR.

Ambos os profissionais trabalham com sublimação. Ambos os profissionais personalizam produtos. Ambos os profissionais tiveram e terão dúvidas sobre o processo. Ambos os profissionais cometerão erros.

A questão toda não é sobre ser um profissional a prova de falhas e erros.

Também não significa dizer que um sublimador é alguém que já possui uma loja estabelecida. É possível ser um SUBLIMADOR a partir do trabalho da própria casa.

Também não é apenas o tempo que você atua no mercado, conheço PRENSADORES que trabalham com sublimação há anos e nunca foram SUBLIMADORES.

E você… será que você é um SUBLIMADOR ou um PRENSADOR? Onde está essa diferença?

O que diz se você é um PRENSADOR ou um SUBLIMADOR está nas ações que você toma a frente do seu negócio. Na forma como você encara o trabalho. Na confiança com a qual você fala sobre o seu trabalho. No comprometimento com suas metas e suas tarefas. Em não se omitir na busca pela evolução e melhora do que você conhece e sabe sobre Sublimação.

O PRENSADOR é aquele profissional da sublimação que acredita que, para produzir um bom produto personalizado, basta saber imprimir e prensar um produto. Que basta tirar ele da prensa sem falhas e entregar ao cliente.

O PRENSADOR percorre grupos e mais grupos de Whatsapp e Facebook durante todo o dia em busca de pedidos de ajuda, em busca de estampas (muitas vezes estampas simples) e em busca de que alguém “faça” algo por ele. Infelizmente na maioria desse tempo ele se contenta em pegar soluções prontas ao invés de garantir um momento de aprendizado.

As perguntas são “Alguém tem essaa estampa?” e não “Alguém pode me ajudar a utilizar o CorelDRAW?” e o mesmo acontece com as dúvidas do processo, querendo logo a solução não se importando em entender o motivo que ocasionou o problema.

O ruim desse tipo de postura é que não há EVOLUÇÃO. O profissional não vai aprimorar seu trabalho de criação ou de produção apenas coletando soluções prontas na internet com outros colegas. Essa evolução só virá com o conhecimento e o estudo das ferramentas e a análise dos problemas e erros.

Nem sempre o caminho mais rápido é o melhor.

A diferença portanto entre PRENSADOR e SUBLIMADOR, de maneira simples: é a diferença entre ser um amador e um especialista na área da Sublimação.

Ser um SUBLIMADOR é buscar maneiras para otimizar o seu processo através do conhecimento e da análise das práticas. É ver um erro e, além de corrigir, entender o motivo que levou a acontecer e, a partir de então, encontrar meios de evitá-lo para que nunca mais aconteçam novamente.

É conhecer as ferramentas básicas para trabalhar e criar dentro desse mercado, de maneira autônoma, sem depender da ajuda de terceiros. Deixando essa necessidade de ajuda para situações bem específicas e cada vez mais pontuais.

Um SUBLIMADOR tem pavor de gambiarras ou soluções “momentâneas”. Há a busca pela solução definitiva para que se possa trabalhar livre de preocupação e com cada vez mais padrão no processo. Com isso ganha-se mais autonomia e torna-se mais eficiente.

Para ser um SUBLIMADOR é necessário observar alguns atributos como:

  1. CONFIANÇA: especialistas sabem exatamente o que está fazendo e por que está fazendo. Mas também é humilde o suficiente para reconhecer que não sabe tudo.
  2. COMPROMETIMENTO: ser um especialista no que você faz tem muito a ver com a sua capacidade de fazer um trabalho bem-feito, mesmo sem alguém para supervisionar. Mantenha um padrão elevado de comprometimento.
  3. PROFICIÊNCIA: para ser um especialista é necessário ser proficiente, ou seja, ser conhecedor sobre o assunto. Mas não de maneira teórica e sim ser também bom na prática.
  4. RESILIÊNCIA: todo especialista precisa ter a capacidade de lidar com problemas, adaptar-se a mudanças, superar obstáculos e resistir à pressão de situações adversas como erros ou momentos de crise sem fazer disso um fator que reduza a sua produtividade e comprometimento.
  5. DISCIPLINA: envolve começar quando você quer parar, não porque você quer trabalhar mais, mas porque cumprir seu objetivo é importante o suficiente para que você não pare o que está fazendo por conveniência.

E então? Descobriu em que nível você está? É um SUBLIMADOR ou ainda está um PRENSADOR? Me conta nos comentários como você se vê na Sublimação!

Gostou? Envie a um amigo!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Gostou? Compartilhe com seus amigos:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
E-mail

Artigos Relacionados