Mitos e Verdades da Sublimação

Marcos Gervazoni

Marcos Gervazoni

Comecei com Sublimação em 2010, numa época onde as informações eram muito difíceis de ser encontradas. Desde 2017 à frente da Central da Sublimação para facilitar a vida de quem quer começar.

Faça como mais de cinco mil pessoas

Entre para nossa LISTA VIP e receba conteúdos exclusivos todas as sextas-feiras

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp

O mercado da Sublimação é uma realidade a bastante tempo. Está presente na casa de diversas pessoas e é a fonte de renda de outras muitas. Há muita informação sendo compartilhada na internet sobre “como produzir produtos personalizados“.

No entanto, há também muita desinformação com profissionais ensinando técnicas duvidosas, pouco eficazes e até grandes mitos do mercado como se fosse o melhor jeito de fazer. Isso acaba fazendo com que os mais novos ou com pouca experiência tomem caminhos muito duvidosos sobre diversos assuntos, percam material, percam tempo e o pior: entregue produtos com pouca qualidade.

Neste artigo irei listar algumas das principais “máximas” do mercado da Sublimação para que você saiba o que é MITO e o que é VERDADE dessas informações todas.

#01 – É possível sublimar qualquer coisa com Sublimação!

MITO! Para ser possível fazer o processo de sublimação o produto que vai ser estampado deve ter recebido uma aplicação superficial de uma resina de poliéster. É nessa resina que a tinta irá se fixar permanentemente. No caso de tecidos é necessário que ele seja de poliéster ou qualquer outro tecido sintético. As fibras de qualquer tecido natural não fixam a sublimação.

Você pode saber com mais detalhes o que pode e o que não pode ser sublimado se clicar aqui.

#02 – Posso sublimar utilizando Papel Comum!

VERDADE! O papel comum também realizará a transferência da tinta para o produto de maneira definitiva. Porém o seu uso é indicado apenas em casos de exceção (por exemplo, pela falta de papel sublimático no momento). A qualidade da estampa no produto estampado com papel comum é inferior a de um produto estampado com papel sublimático.

Para entender o motivo da diferença (e ver essa diferença na prática) confira este artigo.

#03 – Só é possível sublimar Tecidos Brancos!

MITO! A sublimação depende da composição do tecido e não da cor dele. É comum encontrar trabalhos de sublimação em camisetas coloridas e e cinzas. Deve-se ter alguns cuidados com detalhes, uma vez que não haverá como imprimir a cor branca.

Saiba como estampar camisetas coloridas lendo este artigo.

#04 – É possível reutilizar o Papel Sublimático!

MITO! Uma vez que o papel sublimático é utilizado para estampar um produto não há como reutilizá-lo. Ele deve ser descartado pois haverá sobras de tinta da estampa além de perder algumas características necessárias para a qualidade da estampa.

#05 – É possível estampar duas vezes a mesma impressão!

MITO! Cada folha de papel sublimático serve para realizar uma estampa. O processo de sublimação, quando bem ajustado, deixa quase nenhum resquício de tinta sobre a folha. Utilizar essa mesma folha para uma segunda sublimação vai deixar o produto com uma estampa extremamente apagada.

#06 – A regulagem da Prensa é Sempre a Mesma!

MITO! Cada produto requer uma regulagem de pressão, de tempo e também de temperatura. Não é possível definir uma configuração de regulagem e fazer todos os produtos com ela. Verifique sempre as especificações do seu fornecedor para o produto que você vai estampar.

#07 – Sublimação e Transfer são a mesma coisa!

MITO! Sublimação e transfer são dois processos diferentes. A única semelhança entre eles é que ambos acontecem por meio do calor. As aplicações entre um e outro são diferentes, e você pode saber mais detalhes lendo este artigo.

#08 – É preciso estampar os Dois Lados da Caneca!

MITO! Essa prática é bastante divulgada pois pode acontecer de o fundo da caneca ficar com uma estampa suavemente apagada. Isso acontece pois o fundo da caneca apresenta mais massa, necessitando de mais tempo para atingir a temperatura necessária para a sublimação. Para evitar isso, criou-se a prática de tirar a caneca da prensa, inverter o lado e estampar novamente. Isso é desnecessário se você realizar a configuração correta da sua prensa, aumentando o tempo de sublimação (comece aumentando o tempo pela metade do tempo que você faz a segunda sublimação: 180 segundos + 60 segundos = faça uma única prensagem com 210 segundos).

#09 – Depois de prensar é necessário colocar a caneca em um balde com água!

MITO! O brilho da caneca depende da qualidade da resina utilizada, da tinta e do correto ajuste entre “tempo x temperatura x pressão” na hora da prensagem. Não há diferença no brilho da estampa em colocar a caneca, após estampada, em um balde com água. O resultado será o mesmo que retirar o papel logo após a prensa sair da estampa e deixá-la resfriar naturalmente. Outro motivo que leva alguns profissionais a utilizarem essa prática é “parar” o processo de sublimação, evitando o fantasma. Porém, ao retirar a caneca da prensa já paramos o processo, afinal, ele depende de temperatura e pressão para acontecer – coisas que não tem como acontecer fora da prensa.

Gostou? Envie a um amigo!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Gostou? Compartilhe com seus amigos:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
E-mail

Artigos Relacionados

avaliação

GOSTOU DO QUE LEU?

Clique no botão ao lado e diga o que você acha da Central da Sublimação!

Dúvidas? Me chame!